Assim que você decidir que seu filho está maduro o suficiente para assumir as responsabilidades de ter um celular, é hora de estabelecer algumas regras. Eis algumas diretrizes que você deve ter em mente ao criar regras sobre o uso de telefones celulares.

  1. Concentre-se na criação, não no monitoramento. Lembre-se de que este é o primeiro celular de seu filho e, provavelmente, a primeira exposição dele às redes sociais. O propósito de estabelecer limites e expectativas sobre este novo dispositivo não é castigo, mas sim preparação. As regras e práticas que você estabelecer agora poderão dar a seu filho diretrizes para uma vida inteira de uso responsável da tecnologia, uma compreensão mais profunda dos usos e abusos das redes sociais e um conjunto de hábitos saudáveis em torno do tempo em frente à tela. Seu filho cometerá erros. Seja firme e coerente em suas expectativas, mas também forneça a ele o suporte de que precisa para se recuperar desses erros.
  2. Estabeleça regras financeiras. O que acontece se seu filho perder ou quebrar um aparelho? Ou se eles excederem os minutos ou dados fornecidos, ou contraírem gastos extras com videogames ou compras online? Estabeleça desde já quem pagará pelos danos e quais serão as consequências. Lembre-se de que você é o adulto no comando, o que significa que você tem o direito de tomar o celular ou de esperar para trocá-lo pelo tempo que achar necessário.
  3. Estabeleça regras sobre o tempo. Quando os filhos começam a sair sozinhos, a maioria das famílias estabelece um horário de retorno. Use a mesma ideia ao criar regras sobre o uso de telefones celulares. Os jovens podem levar seus telefones para a escola? Eles têm seus telefones devolvidos depois da escola ou depois do dever de casa? Os celulares são permitidos na mesa de jantar? A que horas eles devem guardar os telefones à noite? Ao planejar esses tempos, pense em primeiro lugar por que você acha que seu filho deveria ter um telefone celular. Se quiser que ele entre em contato com você, você pode permitir que ele o leve para a escola. Se ele usar o celular principalmente para entrar em contato com amigos e familiares, você pode aumentar o tempo nos fins de semana e diminuir o tempo nos dias de semana. Lembre-se de que seu filho mudará e, com base em suas necessidades e nível de maturidade, seus limites de tempo também podem mudar.
  4. Estabeleça regras de privacidade. Seu filho pode ter perfil nas redes sociais? O que ele tem permissão para postar? Você quer ter acesso a suas senhas? Você quer checar o telefone dele no final do dia? Mais uma vez, considere essas regras no contexto da preparação de uma criança para, finalmente, usar o dispositivo de forma cada vez mais independente. Suas restrições podem diminuir ou aumentar à medida que as coisas acontecem e seu filho amadurece. Além disso, não deixe de conversar com seu filho sobre a permanência na Internet, os riscos de falar com estranhos e o tipo de coisa que ele deve ou não postar. Pode ser conveniente mostrar feeds de redes sociais e conversar sobre o que você gosta e não gosta neles. Use esta conversa para falar da maneira como seu filho quer que o feed dele seja e como ele quer que os outros se sintam.
  5. Estabeleça como lidar com os erros. Os cérebros dos alunos do ensino médio estão a mil, mas seus sentidos de lógica e bom senso ainda estão se desenvolvendo. Presuma que eles cometerão erros. Alguns deles podem ser caros. Alguns podem ser assustadores. Estabeleça desde já com seu filho o que você fará se esses erros ocorrerem. Além disso, converse com seu cônjuge ou qualquer outra pessoa que participe da vida de seu filho sobre estratégias para questões importantes. Se seu filho postar algo prejudicial, por exemplo, pense em quem você confiaria para ajudá-lo a lidar com as consequências. Independentemente da intensidade desses erros, tente o seu melhor para mostrar a seu filho que você o ama e o apoia, não importa o que aconteça, e que vocês dois vão superar o problema juntos.